quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Grife Nelore tem descontos de até 70%


Como a qualidade é o grande diferencial da marca, a Nelore não poderia ter outra Grife que não fosse a Bonnet, que está presente na Exposição Agropecuária de Barretos. O espaço Grife Nelore está montado no palanque em frente a pista de julgamento do Jóquei Clube de Barretos.

A Bonnet já faz história no segmento country como empresa de grande sucesso que alia alta qualidade de produtos a bons preços. Fundada em junho de 1994, na cidade de Barretos-SP, iniciou sua produção confeccionando exclusivamente bonés de qualidade que logo atraíram vasto mercado. Tendo como artigo principal, o boné.

A exposição já  começou e vai até sábado, 30 de novembro. A grife faz a queima de estoque com descontos de até 70%. Quem passar pelo Jockey Club de Barretos pode conferir os descontos e já fazer as compras do Natal!!

Os produtos fabricados pela Bonnet são desenvolvidos seguindo os objetivos estabelecidos pela empresa, de investir na formação de profissionais gabaritados e em maquinário de tecnologia atualizada. Um instrumental que garante qualidade e produtividade incomparáveis à sua produção o que garante a qualidade.

A grife Nelore desenvolvida pela Bonnet conta com peças de alto padrão, as camisas e camisetas são produzidas em 100% algodão, as jaquetas são impermeáveis e feitas com Nylon de paraquedas o que garante a durabilidadee os bonés.

Vantagens - Sócios ACNB

Sócios em dia da Associação dos Criadores de Nelore  tem 10% de desconto  para produção de bonés com a logomarca da sua fazenda. Entre em contato com bonnet e garanta a qualidade do seu produto.






quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Cargill vence a primeira edição de “As Melhores da Dinheiro Rural”

A Dinheiro Rural, revista mensal da Editora Três, que em 2014 completa dez anos, promoveu na noite de ontem (26), a primeira edição do prêmio “As Melhores da Dinheiro Rural”. A Cargill, uma das maiores empresas multinacionais do agronegócio, foi eleita a “Empresa do Ano no Agronegócio”. Além dela, o evento contemplou outras 30 empresas e cooperativas com as melhores práticas de gestão, bem como as campeãs setoriais e os destaques da agropecuária (veja abaixo a lista completa).

Na ocasião, também foi lançado o anuário As Melhores da Dinheiro Rural, análise inédita e precisa sobre as companhias e o mercado, com um ranking das 500 principais organizações que atuam direta ou indiretamente no campo.  “Pela primeira vez, uma publicação avalia as empresas do agronegócio com grande abrangência, considerando desde indicadores financeiros até o papel das companhias na integração cadeia produtiva”, diz Milton Gamez , diretor de núcleo da Editora Três.

 A avaliação das empresas apresentadas no anuário em contempladas na premiação envolveu metodologia própria, elaborada em conjunto com o Instituto Universal de Marketing em Agribusiness (I-UMA ) e os consultores José Luiz Tejon Megido e Miguel Ângelo Arab. O estudo ainda contou com a participação do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e a Boa Vista Serviços, empresa especializada em informações financeiras.

Na categoria Destaques da Pecuária o prêmio Carne de Qualidade ficou com a Fazenda São Marcelo, do Grupo JD que pertence aos antigos controladores da rede de supermercados Carrefour e está localizado em Tangará da Serra (MT). A Fazenda São Marcelo envia para o Programa de Qualidade Nelore Natural (PQNN) da Associação de Criadores de Nelore do Brasil quatro mil animais por ano e o frigorífico parceiro Marfrig paga uma bonificação de até 4% a mais , para pecuaristas que "entregam" um boi de maior qualidade.

A Fazenda São Marcelo, em especial , consegue com esse acréscimo ser a primeira brasileira e uma das únicas empresas mundiais a conquistar a certificação Rainforest Alliance, direcionada às práticas ambientais, sociais e de produtividade. Apenas ela e a Unilever receberão o certificado nos Estados Unidos neste ano. Por sua produção diferenciada, a São Marcelo também foi a primeira brasileira a conseguir a certificação de bem-estar animal, concedida pela Ecocert Brasil.

Arnaldo Johannes Eijsink, responsável pelas atividades da pecuária do grupo JD, diz que a maior produtividade por área e carne de qualidade exige investimento e modernização. "O pecuarista tradicional que não investir não terá vida longa ", afirma. Ele cita como exemplo de inoação práticas como a adubação de pastagem, controle zootécnico, reprodução com touros provados por programas de melhoramento genético e confinamento estratégico entre outros.

A São Marcelo possui atualmente, um rebanho de 40 mil bovinos , dos quais 11 mil são matrizes Nelore. Além do volume, na carne de qualidade uma das principais preocupações dos pecuaristas está na uniformidade do produto. Um dos objetivos do Programa de Qualidade Nelore Natural  é divulgar as qualidades da carne da raça Nelore e oferecer ao público consumidor um produto com origem conhecida e qualidade controlada, o PQNN valoriza o sistema de produção à base de forrageiras, consolidando a imagem do Nelore brasileiro como sinônimo de carne saudável. 

 “A premiação é um marco na história da Dinheiro Rural e a expansão de um sucesso. Em dez anos, a publicação se tornou importante aliada do produtor e empresário rural”, afirma Gamez. “Mais do que premiar grandes iniciativas, projetos e empresas, este momento demonstra a crença da Editora Três na economia brasileira, na pujança do agronegócio e na mente criativa dos empresários”, completa.

A pecuária responde, sozinha, por cerca de um terço do PIB do agronegócio no País. No ano passado a cadeia movimentou US$ 167 bilhões, gerando mais de seis milhões de empregos.

Confira lista completa com os premiados de  “As Melhores da Dinheiro Rural:

CATEGORIAS DE GESTÃO:
EMPRESA DO ANO: Cargill
Agronegócio Direto: Cargill
Agronegócio Indireto: Ambev
Cooperativa: Comigo Gestão de Cadeia Produtiva: Aurora
Açúcar e biocombustíveis: Usina Alto Alegre
Bebidas: Ambev
Café: Realcafé
Calçados e Couros: Arezzo
Conglomerados de Alimentos: Cosan
Conglomerados Químicos: Bayer
Fertilizantes e Agroquímicos: Ihara
Grãos: Josapar



DESTAQUES DA PECUÁRIA
Fazenda Sustentável: Fazenda Cachoeirão, de Nedson Rodrigues Pereira e José Rodrigues Pereira, em Bandeirantes (MS );

Carne de Qualidade: Fazenda São Marcelo, do Grupo JD, em Tangará da Serra (MT);

Confinamento de Produtor: Fazenda Conforto, de Alexandre Funari Negrão, em Nova Crixás (GO);

Confinamento de Frigorífico: JBS, em Castilho (SP);

Criador de Gado de Produção: Abel Leopoldino, da Agropecuária Leopoldino, em Água Boa (MT);

Criador de Raça Composta: Eduardo Macedo Linhares, da Gap Genética, de Uruguaiana (RS);

Criador de Raça Taurina: Valter José Pötter, da Estância Guatambu, em Dom Pedrito (RS);

Criador de Raça Zebuína: Rodolpho Ortenblad, da Fazenda Córrego de Santa Cecília, em Uchoa (SP);

Criador de Raça Nelore: Alexandre Grendene, da Agropecuária Jacarezinho, em Valparaíso (SP);

Leilões: Programa Leilões.




Cotação do boi gordo registra nova alta

O mercado está firme para o boi gordo. Segundo a Scot Consultoria, houve alta na arroba do bovino terminado nessa terça, dia 26, pelo segundo dia consecutivo em São Paulo. A referência para o boi gordo no Estado subiu para R$ 109,50/@, à vista. Na tentativa de alongar as escalas, algumas indústrias ofertam preços de até R$ 110,00/@, à vista. 

A dificuldade em encontrar os animais de cocho, paralelamente ao atraso da oferta dos animais terminados a pasto, desenha esse cenário em boa parte do Brasil central. A oferta é restrita e a demanda vem colaborando, mesmo no final do mês.

No mercado atacadista de carne com osso, o boi casado de animais castrados está sendo negociado, em média, por R$ 6,94 o quilo. É o maior valor registrado desde o início de novembro.


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Alívio de sanções ao Irã deve beneficiar carne brasileira

O afrouxamento das sanções contra o Irã, previsto no acordo provisório sobre o programa nuclear do país, gera grande expectativa no agronegócio brasileiro. O Irã é um parceiro comercial que tem gerado saldos importantes para a balança comercial do Brasil desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Mas as exportações brasileiras estagnaram nos últimos dois anos e estão caindo fortemente neste ano, com o recrudescimento das sanções e a piora das relações bilaterais durante o governo de Dilma Rousseff.

As vendas brasileiras para o Irã chegaram a US$ 2,332 bilhões em 2011, primeiro ano do governo Dilma. Em 2012, as exportações, que vinham ganhando impulso, recuaram para US$ 2,183 bilhões. Neste ano, o comércio desabou.

Entre janeiro e outubro, o Brasil exportou apenas US$ 1,204 bilhão para o Irã, com destaque para cereais, açúcar e carnes. Já as exportações iranianas para o Brasil, que em 2010 chegaram a US$ 123 milhões, somam apenas US$ 7,5 milhões em 2013.

As principais exportações brasileiras não são alvo direto das sanções impostas pelo Ocidente ao Irã. Mas elas acabaram sendo afetadas pelo asfixiamento a que a economia iraniana foi submetida, com restrições de seguro, crédito e acesso dos iranianos a recursos no exterior, além da dificuldade de contratar navios e contêineres para exportar para lá.

Além disso, diferentemente de Lula, a presidente Dilma não manteve uma relação próxima com o regime iraniano, o que, segundo fontes, acabou afetando as relações comerciais. Em 2010, Lula chegou a costurar, juntamente com a Turquia, um acordo com os iranianos para enriquecimento de urânio fora do país - que acabou sendo rejeitado pelos EUA e aliados europeus. Foi o cume da boa relação entre os governos brasileiro e iraniano.

Mas o clima azedou após o Brasil ter adotado posições desfavoráveis ao Irã no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em 2011, já sob Dilma.

Dentre os setores que mais comemoram o alívio nas sanções ao Irã está o de carne bovina. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), o setor conseguiu entre janeiro e outubro uma receita de US$ 161,9 milhões com as vendas aos iranianos. O desempenho é pífio se comparado aos US$ 807,5 milhões exportados em 2010.

Mas a expectativa, agora, é de reversão deste quadro. "Desde outubro nós já vínhamos sentindo um interesse maior dos importadores iranianos, antevendo que algo poderia mudar [em relação às sanções]", diz Antonio Jorge Camardelli, presidente da Abiec. Isso já se refletiu em exportações de 7.400 toneladas em novembro, com receita de US$ 33 milhões, contra US$ 24,7 milhões e 5.000 toneladas em outubro.

Para 2014, a entidade espera que as exportações cheguem a um recorde de US$ 1 bilhão. "Pretendemos até fazer um churrasco promocional em Teerã para comemorar", afirma Camardelli.


Missão russa visita estabelecimentos brasileiros

Autoridades sanitárias da Rússia estão no Brasil para vistoriar estabelecimentos que produzem carnes bovinas, suínas e de aves. O roteiro foi definido pelos russos nesta segunda-feira, 25 de novembro, e pode sofrer alterações. A missão irá se dividir em três grupos para visitar propriedades rurais, laboratórios e frigoríficos.

A missão no Brasil começa nesta terça-feira, 26 de novembro, e termina dia 6 de dezembro (sexta-feira). Até o momento estão confirmadas vistorias em Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A primeira equipe irá para Palmeira de Goiás (GO), no dia 26 de novembro, visitar o estabelecimento Minerva S/A (SIF 431). Na quarta-feira, ainda em Goiás, irá até o Mataboi Alimententos S/A (SIF 4029).  Na quinta, os russos chegam a Pedro Leopoldo (MG) e farão vistorias no Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) de Minas Gerais. 

Na sexta-feira, será a vez do Lanagro de São Paulo. Na segunda-feira, 2 de dezembro, as autoridades sanitárias da Rússia estarão em Estrela D’Oeste (SP) para vistoriar uma propriedade rural de bovinos. No dia seguinte, visitam o frigorífico Bom-Mart (SIF 2121), em Presidente Prudente (SP). A Marfrig Matadouro Frigoríficos Brasil S/A, de Paranaíba (MS) (SIF 2863) receberá os russos no dia 4 de dezembro. Já no dia 5, ainda em Mato Grosso do Sul, a missão irá até a Unidade Local de Paranaíba e a uma propriedade rural de bovinos.

A segunda equipe viajará para Vilhena (RO) e também inicia os trabalhos nesta terça-feira, visitando o frigorífico da JBS S/A (SIF 4333). Na quinta-feira desta semana, a visita será ao Mataboi Alimentos (SIF 177), em Araguari (MG). Na sexta-feira, os russos irão ao Frigorífico da JBS (SIF 337), em Lins (SP). Na segunda-feira, 2 de dezembro, a missão irá ao Frigol S/A (SIF 2960), ainda em São Paulo. A equipe seguirá para José Bonifácio no dia seguinte, onde serão recebidos pelo Frigorífico Minerva S/A (SIF 451). A agenda de quarta-feira, 4 de dezembro, está livre e ainda será definida. No entanto, na quinta-feira (5) a vistoria será feita no Frigorífico Pamplona Alimentos (SIF 1156), em Rio do Sul (SC).

O terceiro grupo vai vistoriar estabelecimentos de aves e suínos e o primeiro frigorífico a receber os russos será o Aurora (SIF 3125), em Chapecó(SC), na terça-feira (26). Na quarta-feira, o grupo segue viagem para Dionísio Cerqueira, ainda em Santa Catarina, para uma visita a Unidade de Vigilância Agropecuária. Na quinta-feira desta semana, a missão irá ao Frigoestrela (SIF 2924), em Estrela D´Oeste (SP). Já em Campinas (SP), no dia 29, a visita será ao Seara Alimentos (SIF 1194). Na segunda-feira, 2 de dezembro, a equipe viajará para Mineiros (GO) para vistoriar uma granja de aves, uma unidade local de atenção veterinária e o frigorífico BRFoods S/A (SIF 1010). As autoridades seguirão para Santo Ângelo (RS) no dia 3 para vistoriar o estabelecimento Alibem (SIF 915). Ainda no Rio Grande do Sul, irão quarta-feira ao Conservas Oderich (SIF 64), que fica em Porto Alegre. O roteiro do dia 5 de dezembro ainda não foi definido.



segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Oscar da Pecuária reúne os melhores da raça Nelore em 2013

A tradicional Nelore Fest, conhecida como Oscar da Pecuária, acontecerá  no dia 12 de dezembro, no Leopoldo Itaim, na capital paulista. Promovida pela ACNB (Associação de Criadores de Nelore do Brasil), a festa reúne os principais representantes de um dos setores de maior importância para a economia nacional: a pecuária. A cadeia produtiva da carne bovina contará com selecionadores de genética, criadores, recriadores, invernistas, confinadores, frigoríficos, assessores pecuários, consultores de campo, técnicos e pesquisadores. Também participam do evento personalidades, grandes empresários e investidores do mercado agropecuário e de capitais. 

Os convidados da festa da família Nelorista prestigiam os melhores do ano com premiações inéditas e homenagens que emocionam o público, que também pode acompanhar a transmissão em tempo real pelo Canal Rural. O comando desta edição ficará a cargo da apresentadora e editora-executiva do Leitura Dinâmica, da RedeTV,  Erica Reis.

A festa  marca o encerramento do calendário anual de atividades da raça Nelore que valoriza os criadores, profissionais e personalidades que se destacaram ao longo do ano. Entre as categorias que serão premiadas estão: Excelência no Agronegócio, Nova Geração, Amigo do Nelore, Incentivador da Raça, Família Nelorista, Criador Modelo, entre outras. Também serão entregues troféus ao Melhor Criador e ao Melhor Expositor dos Rankings Regionais e aos três melhores Criadores e Expositores das Copas Inter-regionais, juntamente com a premiação dos campeões do Ranking Nacional Nelore e Nelore Mocho, com as homenagens do Oscar da Pecuária e com a premiação dos vencedores da 11ª edição do Circuito Boi Verde Julgamentos de Carcaças.

Tradicionalmente é sorteada uma viagem com destino internacional entre os convidados do evento. Além disso, a edição de 2013 traz uma dupla surpresa para os amantes do Nelore: serão distribuídos exemplares do livro “Sinal Verde para a carne vermelha”, do Dr. Wilson Rondó Júnior, que aborda a alimentação saudável. E também será entregue aos convidados um vale-presente para o livro  “Nelore a raça forte”, exclusivamente dedicado à raça Nelore e aos criadores. O livro, publicado em três línguas (Português, Inglês e Espanhol) é do autor José Otávio Lemos, zootecnista, jurado e conselheiro técnico da ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebu). O exemplar deverá ser retirado durante a ExpoZebu 2014, no espaço Nelore, no parque Fernando Costa, em Uberaba/MG.

A Nelore Fest 2013 conta com o patrocínio do Canal Rural, Dow Agrosciences e Programa Leilões, com apoio da Chevrolet, Revista Nelore e Revista O Zebu.

A edição da Nelore Fest 2013 já tem data marcada!  Os convites já podem ser adquiridos através do telefone (11) 3293-8900.
Valor do convite individual: R$ 300,00.


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Kátia Abreu quer ampliar lista de frigoríficos habilitados pela China

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (PMDB/TO), defende uma ação conjunta do governo federal e do setor privado para conseguir da China, no menor prazo possível, não apenas a suspensão do embargo à carne bovina brasileira, declarado no final de 2012, como a autorização para que novos frigoríficos possam exportar para o mercado chinês.

A senadora conversou sobre o assunto com o ministro da Agricultura, Antônio Andrade (PMDB/MG) na quinta, dia 21. Na ocasião, Kátia lembrou a necessidade de se aproveitar a visita ao Brasil, programada para dezembro, dos técnicos da Administração de Inspeção e Quarentena (AQSIQ), órgão responsável pela fiscalização sanitária dos produtos importados pela China. " É uma boa oportunidade para remover os obstáculos"  – disse a senadora.

Na avaliação dela, não há razões técnicas para a manutenção do embargo imposto pelo governo chinês à carne bovina brasileira no fim do ano passado, quando o Ministério da Agricultura divulgou informações sobre um caso não clássico de vaca louca, detectado no Paraná em 2010. A senadora espera que a visita dos técnicos da AQSIQ resulte na liberação do produto e em autorizações para novos frigoríficos brasileiros venderem carne bovina aos chineses. 

A senadora considera "importante que os chineses autorizem novas plantas frigoríficas e não decidam com base apenas nos pedidos já formalizados por empresas brasileiras". Ela observou que, no Brasil, apenas nove frigoríficos estão autorizados a exportar carne para a China continental, enquanto o Canadá tem 8, a Argentina 18 e o Uruguai 22, segundo números da própria AQSIQ referentes a 2012.

Ela salienta que a distância geográfica limita as exportações brasileiras de carne bovina para os chineses, pois impossibilita as vendas de carne fresca. Ela afirmou que, após o embargo, a carne bovina brasileira tem chegado até a China continental via Hong Kong.

– Mas essa não é uma opção segura e nem de longo prazo, do ponto de vista do produtor brasileiro – diz a senadora, lembrando que outro fator que incentiva o comércio com Hong Kong é a inexistência da cobrança do imposto sobre o valor adicionado, o que permite a redução nos preços.



quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Circuito Boi Verde chega ao final do ano com quase sete mil carcaças avaliadas

Paranaíba recebeu pela primeira vez o Circuito Boi Verde de Julgamentos de Carcaças promovido pela  Associação dos Criadores de Nelore do Brasil com objetivo promover e fomentar a raça Nelore no país e no exterior, evidenciando seu potencial de produção de carne de qualidade. Foi a sétima e última etapa do ano da 11ª edição do Circuito.

Sob o formato de uma competição anual a iniciativa se propõe a mapear o perfil de carcaça dos animais da raça Nelore criados sob condições distintas, proporcionar o intercâmbio de experiências e valorizar os criadores que se destacam.

Thiago Salomão, médico veterinário da Nelore explica que o evento foi de grande importância para os pecuaristas da região, "pois os mesmos puderam mostrar os resultados de uma ótima produção, com animais jovens, bem acabados e de um altíssimo padrão racial".

Para a indústria também foi um diferencial, Salomão ressalta que o Circuito Boi Verde aconteceu pela primeira vez na região e que esse tipo de evento é "fundamental para a pecuária mesmo se tratando de uma competição, é saudável !".

Alexandre Maschietto que é  engenheiro agrônomo da Fazenda Rio Bonito/Paraíso – MS e representa o campeão da etapa (família Colnaghi,  do  Grupo Asperbras)   explica que o segredo do sucesso é "uma boa genética aliada a um bom manejo na recria em pastagem de ótima qualidade utilizando-se de ILP ,e uma engorda rápida com alimentos de alto valor nutritivo produzido em grande parte na própria fazenda".

Para estar entre os primeiros colocados do campeonato "dei prioridade em homogeneizar os animais, tanto em característica, como em idade e acabamento" explica Silvio Leandro de Lima, gerente da Fazenda Santa Rosa, que fica em Três Lagoas  e já garante a participação em 2014. " Fico na expectativa de estar entre os três primeiros novamente, afinal desafio é sempre bom!".

Com enorme respaldo dos participantes a etapa de Paranaíba foi um sucesso entre os pecuaristas, patrocinadores e convidados que já confirmaram presença no próximo ano. O Presidente do Sindicato Rural de Paranaíba, Sr. Wilberto Amaral esteve no jantar de premiação e já propôs nova parceria para a realização do Circuito Boi Verde durante a Expopar 2014 – no parque de exposições do município. "Uma parceria a ser consolidada com boas perspectivas para o fomento do agronegócio na região, junto há um maior público" enfatisa Amaral.

Foram avaliados nesta etapa 383 animais de cinco pecuaristas,  sendo que  96,9% tinham até 4 dentes; 60% com peso entre 17 a 21@ e 55,1% apresentaram acabamento mediano e uniforme. 

A opinião de que a disputa foi acirradíssima é unanime , pois segundo Lima, da Fazenda Santa Rosa "os índices e notas foram bem próximos uns dos outros, principalmente entre os três primeiros colocados da etapa". Lima acredita que o concurso motiva e traz vários parâmetros,  "além de nos relacionarmos com várias outras pessoas, há troca de informação que nos ajuda a alinharmos trabalhos futuros e a saber qual animal está no "ponto".

O engenheiro agrônomo da Fazenda Rio Bonito/Paraíso – MS acredita que a diversidade  é muito importante pois há vários sistemas de produção,  porém  a pecuária com mais precocidade aliada a qualidade deverá ser  um fator decisivo e limitante  no sucesso dos futuros empreendimentos pecuários . O trabalho de uma equipe comprometida e competente foi capaz de transformar genética em sinônimo de qualidade ,finaliza Silvio Leandro de Lima Gerente da Fazenda Santa Rosa / Três Lagoas . Parabéns a todas as equipes pelo trabalho de excelência! A pecuária brasileira só se beneficia com produtores assim!

Vencedores da Etapa PARANAÍBA - MS:
1º  JOSÉ ROBERTO COLNAGHI
2º SIRLEI QUESSADA ALIBERTI
3º ROBERTO SIQUEIRA ROSA 

Balanço e premiados Nelore FEST 2013 
A etapa de Paranaíba encerrou as etapas do Circuito Boi Verde de Julgamentos de Carcaças. Em 2013 o CBV chegou a sua 11ª edição e foram realizadas sete etapas em cinco estados do Brasil (ES, MS,PA,MT,GO) e uma etapa em Assuncion, no Paraguai. Os técnicos da Nelore avaliaram durante o ano 6.655 animais, sendo que 87,8% tinham até 4 dentes, 65% apresentaram acabamento mediano e uniforme e 90,1% registraram peso entre 16 e 20@.

Os melhores do ano que serão premiados na Nelore Fest e apresentaram os melhores lotes de carcaças foram  :
1º ANDRE RIBEIRO BARTOCCI / FAZ. NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS – CAARAPÓ - MS    
2º JACYRA DE LOURDES HOFIG RAMOS/ FAZ. NOSSA SENHORA DE FATIMA – BRASILANDIA - MS
3º RONALDO MATEUS MAZETO E OUTRO/FAZ. SÃO JOÃO DO PAPAIZ – RIBAS DO RIO PARDO - MS.   

A melhor compra de boi do ano , foi da equipe do frigorífico Marfrig - Unidade Bataguassú - MS

Como participar? 
Os produtores interessados em participar, devem inscrever seus lotes de animais junto ao setor de compra de bovinos no frigorífico participante. O período das inscrições seguirá o cronograma de fechamento da escala de abate da unidade. Os lotes deverão ser inscritos em nome do proprietário e da propriedade concorrente e o número de animais, por lote, será limitado ao mínimo de 01 (uma) carga completa, estando sujeito a variações de acordo com o tamanho dos veículos de transporte e dos currais do frigorífico. Para participar, não é necessário ser sócio da ACNB, e não há custo de inscrição. Atenção, as vagas são limitadas.

A programação de cada etapa do Circuito de Julgamentos é composta por 03 dias de atividades, sendo que o primeiro dia é reservado para recebimento e avaliação in vivo dos animais, o segundo dia  é dedicado ao abate e avaliação das carcaças e o ultimo dia é para a premiação e confraternização dos participantes. Os animais são avaliados pelos zootecnistas e jurados de carcaças da ACNB.

ANIMAIS
Podem participar dos julgamentos, animais da raça Nelore, com até 25% de sangue de outra raça zebuína, enquadrando-se nos padrões característicos da raça como Pelagem: cor branca, cinza ou manchada de cinza e presença de cupim. Somente serão aceitos para julgamento animais machos.

PREMIAÇÃO
Serão premiados na categoria Melhor Lote de Carcaças os 03 (três) primeiros colocados, conforme descrito abaixo:
 - 1° colocado: Melhor Lote de Carcaças – Medalha de Ouro
- 2° colocado: Melhor Lote de Carcaças – Medalha de Prata
- 3° colocado: Melhor Lote de Carcaças – Medalha de Bronze

Independente da colocação, todos os lotes e pecuaristas participantes da etapa, automaticamente estarão disputando o Campeonato Nacional, cujo vencedor é premiado na Nelore Fest, em São Paulo, Capital.

O sucesso do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças pode ser demonstrado em números, pois já foram realizados 142 abates em 11 Estados (SP, MS, PR, MG, RO, GO, MT, ES, AC, TO e PA) além da etapa internacional do Paraguai, registrando um total de 92.047 animais avaliados.


CBV etapa Paranaíba

Troca de informação e conhecimento é fundamental para quem quer se desenvolver


CBV etapa Paranaíba

Encontro discutirá o futuro da pecuária no Brasil em dezembro


O BeefSummit Brasil acontecerá nos dias 10 e 11 de Dezembro de 2013 no Centro de Convenções Ribeirão Preto - Ribeirão Preto, SP com expectativa de que 1000 participantes discutam, aprendam e pensem sobre o futuro da pecuária no Brasil
Realização: BeefPoint

O realizador do encontro acredita que pecuária de corte brasileira merece um grande evento, um encontro nacional, com histórias de sucesso e bastante inspiradoras da nossa atividade. A ideia é celebrar a boa pecuária, festejar as pessoas que fazem hoje a pecuária do futuro. O Beef Point acredita que a pecuária brasileira merece um evento com uma experiência de alto nível.

Será um evento dedicado a espalhar inspiração baseada em histórias de sucesso da pecuária brasileira. Só num evento desse porte é possível reunir uma série de palestrantes internacionais e nacionais, de altíssimo nível, que realizem palestras inspiradoras, de conteúdo que vai ajudar a mudar, para melhor, você e seu negócio.

Espera-se que o BeefSummit Brasil seja um grande encontro, um local onde as pessoas possam aprender conversando, trocando experiências, conhecendo novas pessoas e reencontrando velhos amigos. O conhecimento, as ideias, os projetos nascem desses encontros com amigos e pessoas que querem o mesmo que nós. Estamos pensando em todos os detalhes em como fazer do nosso evento o local ideal para essas conversas.

Movimento Pecuária do Futuro. Há muita gente, muita gente mesmo, fazendo um excelente trabalho. Queremos, a cada dia, ajudar a encontrar, conhecer essas pessoas. Ajudar a reunir essas pessoas para troca de conhecimento, aprendizados, erros e acertos. Ajudar a divulgar esse conhecimento. Ajudar a inspirar mais e mais gente a fazer melhor, fazer diferente, buscar a excelência e a inovação. Venha fazer parte e fortalecer o Movimento Pecuária do Futuro! Aguardamos você, dias 10 e 11 de dezembro, em Ribeirão Preto, SP.

Palestras com grandes especialistas internacionais em mercado, pecuária, carne de qualidade e marketing. Um evento que pensa em todos os detalhes para convencer, ensinar e inspirar todos a pensarem em qualidade, marketing e diferenciação.
Programa do evento

10 de Dezembro - terça-feira
08:00hrs - Inscrições e entrega de material
09:00hrs - Abertura
09:30hrs - Pecuária de corte - um trabalho de várias gerações - o que aprendi com meu pai e o que quero ensinar meus filhos. Carla de Freitas, pecuarista, considerada a “embaixadora da pecuária de Rondônia”.

10:10hrs - Pecuária de corte no Grupo Queiroz de Queiroz: bases do sucesso no passado, trabalho atual e planos futuros - estudo de caso de uma empresa. Florencio Queiroz Neto, Engenheiro Agônomo, formado pela ESALQ-USP, especialista em agronegócios pela UFU e em economia Rural pela UFLA. Diretor do Grupo Queiroz de Queiroz e da Usina Cerradão. Com participação especial de Adalberto Queiroz, pai do Florencio, fundador do Grupo Queiroz de Queiroz, no debate após a palestra. Adalberto é considerado por muitos como um exemplo de pecuária rentável e eficiente.

10:50hrs - coffee break
11:50hrs - Duas gerações (pais e filho) trabalhando com sucesso na pecuária de corte.
Daniel Wolf. Pecuarista otimista, que acredita na pecuária do Brasil. Diretor da Fortuna Nutrição Animal. Formado em Administração de Empresas pela Universidade Positivo, Curitiba - PR. Com participação especial de Mario Wolf, pai do Daniel, pecuarista e agricultor, Fazenda Gamada, Nova Canaã do Norte, MT. Pioneiro em integração lavoura-pecuária-floresta no MT. Ex-diretor da Famato e diretor da Acrimat.

12.30hrs - Horário livre para almoço
14:00hrs - Fazenda Santa Bárbara: o desafio de tornar a fazenda lucrativa - caso de sucesso 2009-2013
Patrícia Pimpão, médica e pecuarista. Assumiu a fazenda em 2009, mas vizinhos e amigos não acreditavam na continuidade. Em apenas 4 anos, passou de improvável sucessão a caso de sucesso de pecuária lucrativa.

14:40hrs - Pecuária de corte de alta eficiência técnica, produtiva e econômica: negócio hoje e visão de futuro. Rogério Fonseca Guimarães Peres. Médico veterinário pela Universidade Federal de Uberlândia (2005), pós-graduado em produção de ruminantes pela ESALQ-USP (2007) e mestre em produção animal pela UNESP-Botucatu (2008). Tem experiência na área de produção e reprodução animal, com foco em eficiência reprodutiva. Desde agosto de 2008 trabalha na Agropecuária Fazenda Brasil. Atualmente desempenha a função de Gerente de Pecuária. Com participação especial de Armando Braga Rodrigues Pires Neto, um dos sócios da agropecuária, no debate após a palestra, para discussão sobre atração, formação e retenção de talentos no agro.

15:20hs - coffee-break
16:20hrs - Mercado do boi gordo – tendências e perspectivas para 2014. Fabiano Tito Rosa. Zootecnista (UNESP / Jaboticabal – SP); mestre em engenharia de produção, com especialização em gestão de sistemas agroindustriais (UFSCAR); ex-consultor e diretor da Scot Consultoria e, atualmente, head of research da Minerva Foods.

17:00hrs - Principais conclusões do I América Bovina: como tornar a América Latina referência Global no fornecimento de carne bovina - evento especial Biogénesis Bagó
Luciano Roppa. Médico Veterinário formado na Faculdade de Medicina Veterinária de Botucatu, da UNESP (Universidade Estadual Paulista). Obteve o título “Al Leman Award Science into Practice” como veterinário destacado em nível mundial no ano de 2002, durante a realização do Leman Congress em Minesotta, EUA. Atualmente é titular da Roppa Consulting e se especializou na análise do mercado mundial de carnes e leite.

17:40hrs - Entrega do Prêmio BeefPoint Brasil
18:40hrs - Coquetel com Chopp Pinguim + Degustação de carnes especiais + Show Cláudio Lacerda e banda com o melhor da música caipira
22:00hrs - Encerramento das atividades do primeiro dia do evento.

11 de Dezembro - quarta-feira
08:00hrs - Recepção
09:00hrs - Cenário da economia e do agronegócio brasileiro em 2014. Robério Costa. Economista chefe do Rabobank no Brasil. Robério tem larga experiência em economia, tendo trabalhado em diversas instituições como Fram Capital, Santander Asset Management, Citigroup, Banco SRL e Unibanco. Tem mestrado em econometria pela Universidade de São Paulo.

09:40hrs - Cenário do mercado da carne de aves, suína e bovina em 2014
Osler DeSouzart. Membro da Diretoria Consultiva do World Agricultural Forum, membro da equipe do The Sustainable Food Laboratory. Tem sua própria companhia de consultoria, ODConsulting Planejamento + Estratégia. Osler passou a maior parte de sua vida profissional no marketing internacional de carnes, tendo trabalhado para algumas das maiores indústrias brasileiras de avicultura e suinocultura (Sadia & Perdigão), ocupando a diretoria de comércio exterior. Até janeiro de 2004 foi Diretor da Doux Frangosul. 
Participou da construção e desenvolvimento das exportações brasileiras de carne desde suas etapas iniciais e ocupou cargos em várias associações profissionais, entre as quais a ABEF e ABIPECS. Tem bacharelado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, titulação superior em Marketing pela Escuela de Alta Dirección y Administración, Madrid, Espanha, e um curso de gerência de exportação e importação pelo IAG, da PUC do Rio de Janeiro, Brasil. É fluente em inglês, francês, português, espanhol e italiano.

10:20hrs - coffee break
11:20hrs - Certified Angus Beef: uma ideia nova há 35 anos atrás, e um grande sucesso nos dias de hoje - como agregamos valor ao produtor, promovendo uma marca de carne bovina. John Stika é o terceiro presidente a liderar a marca de carne Certified Angus Beef, tendo assumido o cargo em 2006. Desde 1999 trabalha na empresa, tendo iniciado como diretor de relações com frigoríficos e confinamentos. Tem experiência com varejo, foodservice, produtos de valor agregado e vendas internacionais. Certified Angus Beef é a marca mais famosa de carne bovina dos EUA. Lançada em 1978, foi a marca que iniciou todo o processo de agregação de valor e criação de marcas de carne nos EUA. Nasceu em Lincolnville, Kansas, onde sua família trabalhava com pecuária e produção de grãos. É formado e tem mestrado em animal and meat science pela Kansas State University. Tem doutorado em meat science pela University of Kentucky. A palestra irá contar com tradução simultânea.

12.20hrs - Horário livre para almoço
14:00hrs - Os produtores de carne nos EUA: hoje e amanhã - como integrar diferentes gerações e qual é a nossa visão do futuro Jesse Womack. Co-fundador do Ranch Network, LLC. Pecuarista, consultor. Já trabalhou com venda de carne no atacado nos EUA. É formado pela Boston University e tem curso de especialização em Ranch Management, pela Texas Christian University, principal curso de pós-graduação nos EUA em gerenciamento para pecuarista. Mora em Austin, Texas, EUA. A palestra irá contar com tradução simultânea.

14:40hs - NCBA: como representamos os produtores de carne bovina e como promovemos a carne para o consumidor
Forrest Roberts. CEO da National Cattlemen’s Beef Association (NCBA) desde janeiro de 2009. NCBA é a principal associação de gado de corte dos EUA, com forte representação setorial junto ao governo e congresso e também responsável pela mundialmente famosa campanha de promoção e marketing de carne bovina dos EUA. Forrest Roberts é um executivo de sucesso com mais de 15 anos de experiência na indústria de saúde animal dos EUA. Sua família trabalha com pecuária de corte em Uvalde, Texas, EUA. Formado em Animal Science pela Texas A&M University em 1992, e tem MBA pela University of North Carolina. A palestra irá contar com tradução simultânea.

15:40hs - coffee-break
16:40hrs - Capitalismo Consciente: o que é, quais mudanças vem trazendo, o que esperar e como aplicar no seu negócio
Thomas Eckschmidt. Já foi produtor rural, se formou em engenharia pela Poli-USP, fez cursos de finanças, agricultura ecológica e estudou agribusinesse em Harvard nos EUA. É co-autor de 4 livros, publicados no Brasil e nos EUA. Ganhou vários prêmios, como empresário do ano pelo PME Estadão. Sua empresa, a Paripassu, vem fazendo um trabalho inovador na pecuária. É a responsável pela rastreabilidade das carnes produzidas para a rede Pão de Açúcar, com a marca Taeq. Também já ganhou diversos prêmios, como empresa do ano pela FGV, sustentabilidade pelo PME Estadão e melhor aplicativo pelo Green Best.

16:30hrs - Superação - o que aprendi na vida sobre como superar obstáculos, dificuldades, ir em busca do seu sonho e sucesso
José Luis Tejon. Doutor em Ciências da Educação. Mestre em Arte e Cultura pela Universidade Mackenzie. Professor de Pós-Gradução e Coordenador Acadêmico da FGV in company de São Paulo. Professor convidado de diversas universidades brasileiras e do exterior. Especializou-se em Agribusiness pela Harvard Business School, de Boston (USA). Em Marketing pela Pace University de Nova Iorque (USA). Em “New Mídia” pelo MIT, Boston (USA) e Liderança pela INSEAD, Fontainebleau (França). Foi Diretor do Grupo O Estado de S. Paulo (Jornal Estadão), onde até hoje é colunista da Rádio Estadão. Foi Diretor do Grupo Agroceres e da Jacto S/A. Atualmente é acadêmico, consultor, palestrante e escritor. No total são 30 livros em autoria e coautoria.

18:00hrs - Encerramento do evento.
Obs.: o programa poderá ter pequenas alterações.
CURSOS EXTRAS - Auditório Paralelo
Teremos um segundo auditório com cursos ocorrendo em paralelo ao evento. Serão 4 cursos, de um período (manhã ou tarde) nos dois dias. Aguarde a programação dos cursos, será mais uma oportunidade de aprendizado com grandes nomes da pecuária brasileira.

Movimento AgroTalento
O BeefSummit Brasil também vai ser o local de reunir os jovens talentos do agro brasileiro. Teremos a entrega do Prêmio AgroTalento, uma homenagem do BeefPoint aos produtores e técnicos entre 25 e 45 anos que estão revolucionando a pecuária brasileira.

Essa será a primeira iniciativa do AgroTalento, um movimento de agregação dos jovens que fazem e vão fazer a pecuária do futuro. Vamos reunir os 100 principais produtores e 100 principais técnicos do Brasil, com menos de 45 anos, e fazer uma homenagem especial surpresa.

Prêmio BeefPoint Brasil
Um prêmio para celebrar as pessoas que fazem a diferença na pecuária de corte brasileira. São diversas categorias, com período de indicação, curadoria de finalistas e votação online dos finalistas. Uma maneira de premiar quem faz a diferença na pecuária de corte do Brasil. A premiação será feita depois das palestra do primeiro dia do evento, 10-dez, e antes do coquetel. Participe !

Todos os associados ativos da Nelore do Brasil tem 20% de desconto por inscrição para o BeefSummit Brasil. Se você é um associado da Nelore entre em contato para solicitar o seu código promocional. 55 11 3293 8900.



Arquivo Nelore do Brasil

Arquivo Nelore do Brasil

Arquivo Nelore do Brasil / Fazendas Bartira

Exportações e entressafra sustentam preços do boi gordo e da carne, segundo CEPEA

Depois de acumular quedas em outubro, os preços do boi gordo e da carne bovina têm se mantido relativamente firmes ao longo de novembro, superando os valores do mesmo período do ano passado. Nessa quarta-feira, 20, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (estado de São Paulo) fechou em R$ 108,22, pequena alta de 0,44% na parcial do mês, mas de expressivos 10,2% sobre igual data de 2012, em termos nominais – quando considerada a inflação do período (IGP-DI de outubro), o aumento é de 5,6%.

Para a carcaça casada bovina negociada no atacado da Grande São Paulo, o quilo foi cotado a R$ 7,04 na quarta, elevação de 3,4% no mês e de 9% em um ano – em termos reais a alta é de 4,6%. Segundo pesquisadores do Cepea, além do período de entressafra e do menor volume de animais confinados, o bom desempenho das exportações brasileiras também contribui para sustentar as cotações internas do boi gordo e da carne.

Em outubro, foram exportadas 118,6 mil toneladas de carne bovina in natura, a maior quantidade desde maio/07, quando foram vendidas ao exterior 138,2 mil toneladas do produto – dados Secex. De janeiro a outubro, o volume embarcado, de 970,1 mil toneladas, supera em 28% o do mesmo intervalo de 2012.



Rússia ameniza embargo à carne bovina do Brasil

Pouco mais de 45 dias após o embargo russo a nove frigoríficos brasileiros de carne bovina - no dia 2 de outubro -, a Rússia autorizou mais empresas a exportar carne do que bloqueou.

De um total de 56 estabelecimentos exportadores brasileiros de carne bovina registrados no serviço sanitário russo (Rosselkhoznadzor), 12 foram aprovados para exportar após o dia 2 de outubro. Com isso, hoje, 21 das 56 plantas têm autorização para exportar, uma está em controle reforçado e 34 estão proibidas de vender para a Rússia.

"A capacidade de abate hoje é maior que a de outubro, até porque os russos abriram unidades estratégicas em Mato Grosso", assegurou o presidente da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne Bovina (Abiec), Antônio Camardelli. Ele não detalhou qual é a capacidade de abate dos frigoríficos autorizados a exportar para a Rússia.

De certa forma, as autorizações dadas pelos russos desde o embargo iniciado em 2 de outubro contemplam uma estratégia do Ministério da Agricultura. No mês passado, o ministro Antônio Andrade afirmou que ofereceu, durante as negociações com os russos, "trocar" os frigoríficos suspensos pela habilitação de outras unidades do país. Assim, a Rússia vetaria as unidades que avalia não cumprir as exigências sanitárias, mas liberaria a exportação de outras plantas. Foi o que ocorreu. "Saudamos essa troca de garantia entre governos", disse Camardelli.

No acumulado do ano até outubro, o Brasil exportou 266 mil toneladas de carne bovina para a Rússia, crescimento de 15,6% na comparação com as 230 mil toneladas embarcadas no ano anterior. A receita com esses embarques chegou a US$ 1,046 bilhão. Em outubro, os frigoríficos brasileiros mantiveram o nível médio de exportação mensal para a Rússia em 25 mil toneladas. Em receita, as vendas externas para a Rússia chegaram a US$ 102,4 milhões.

Apesar de "saudar" a liberação feita pelos russos, Camardelli reafirmou sua preocupação com o já polêmico caso dos betagonistas, promotores de crescimento de bovinos cujo uso está suspenso no Brasil desde o fim do ano passado. O uso de betagonistas na alimentação do gado bovino chegou a ser liberado no Brasil em meados de 2012, mas enfrentou forte resistência da União Europeia e foi posteriormente suspenso.

Ocorre que ainda há uma disputa entre as empresa veterinárias que produzem os betagonistas - ractopamina e cloridrato de zilpaterol - e os frigoríficos exportadores. De um lado, as veterinárias tentar aprovar um plano de segregação junto ao Ministério da Agricultura que assegure que o gado bovino abatido destinado à Europa e também à Rússia não foi tratado com os betagonistas.

De outro, está a Abiec, que só concorda com protocolo de segregação caso ele seja validado pelos europeus. Segundo Camardelli, os mercados que vetam os betagonistas representam 45% da exportação nacional de carne bovina.

"Não temos indicativo de que o governo vai liberar os betagonistas, mas ficamos preocupados, porque o produto não teve o registro cancelado", disse Camardelli. Apesar disso, ele afirmou confiar no documento que o então secretário de defesa agropecuária do Ministério da Agricultura, Enio Marques, enviou aos europeus, garantindo que o Brasil só autorizaria a venda de betagonista após os europeus aprovarem o protocolo de segregação. "O que existe de fato é esse documento". Com essa garantia, Camardelli espera manter o bom momento da historicamente conturbada relação com os russos. Fonte: Jornal Valor Econômico

Rússia liberou unidades estratégicas de Mato Grosso, diz Camardelli, da Abiec



terça-feira, 19 de novembro de 2013

Força do Centro-Oeste fatura R$ 1,1 milhão

Realizado na semana passada , o 2º Leilão Força do Centro-Oeste vendeu 19 lotes durante a Expoinel MS, em Campo Grande. A oferta é fruto do trabalho seletivo de José Budib, Thiago Salomão, Mauro Savi e Clenon Lyola Barros.
 
O quarteto colocou à venda 18 fêmeas , entre elas campeãs em pistas nacionais. A média geral ficou em R$ 61.114, incluindo uma aspiração por 72 mil. A receita final foi de R$ 1,1 milhão.
 
O animal mais valorizado do remate foi Tauinan I TE J. Galera, uma matriz da seleção  de Murilo e Antônio Domingos  arrematada por R$ 238 mil pela Nelore Joia Rara, que comprou 35% do lote. A negociação ocorreu às 14h, com transmissão do AgroBrasilTV e trabalhos de João Gabriel . Pagamentos em 24 parcelas.


Rima Agropecuária encerra a Expoinel MS

O 4º Virtual Rima encerrou a programação da Expoinel MS, em Campo Grande, no domingo, 17 de novembro. Com a participação de convidados, Ricardo e Bruno Vicintin, donos do Grupo Rima, comercializaram 87 animais de linhagens puras da raça Nelore por R$ 1,2 milhão.

As fêmeas lideraram as negociações. Foram apresentadas 42, todas com dois anos de idade, pela média de R$ 10.829. As matrizes somaram sete lotes, dos quais seis vacas solteiras a R$ 18.080 e uma com cria o pé por R$ 33.600. Bezerras saíram em 16 lotes pelo preço médio de R$ 12.540 e o único reprodutor saiu por R$ 16.800. As prenhezes, a maioria sexadas de fêmeas, somaram 21 ofertas a R$ 25.451.

O exemplar mais caro foi Carisma FIV Casser, de oito anos, irmã da campeã do ranking e recordista Rani FIV da Java, hoje de propriedade da Fazenda Mata Velha e da Terramata Agropecuária. Carisma, fruto do Condomínio Carisma, um dos convidados desta edição, recebeu o lance de R$ 64.800 do criador Valmir Gomes Ribeiro, um do maiores investidores. O grande comprador no leilão dos Vicintin foi a Casa Domingos, criatório que desembolsou R$ 374.880 em produtos.

No grupo dos vendedores estavam a Agro Mercantil, Antônio Paulo Abate, Cássio e Eduardo Lucente, Cícero de Souza, EAO Empreendimentos e Grupo Camargo.A organização ficou a cargo da Programa, com apresentações de Paulo Brasil. Pagamentos em 24 parcelas.

Carisma FIV Casser


Preço da carne sobe e prévia da inflação oficial acelera

Os preços estão subindo mais em novembro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial usada nas metas do governo, ficou em 0,57%  no mês – acima da taxa de 0,48% de outubro. As altas da carne e do tomate pesaram.

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o indicador acumula alta de 5,06% no ano. Em 12 meses, a taxa está em 5,78%, abaixo do teto da meta de inflação do Banco Central, de 6,5%.

Dos nove grupos de produtos e serviços cujos preços são pesquisados para o cálculo do IPCA-15, sete subiram mais em novembro que no mês anterior, com maior destaque partindo de artigos de vestuário, com alta de 0,96%.

No entanto, mesmo que a maior alta tenha sido registrada no grupo de vestuário, a maior contribuição para o avanço do IPCA-15 em novembro veio do grupo de gastos com alimentação e bebidas. A alta foi de 0,84% e contribuiu com 0,21 ponto percentual do índice.

O maior impacto individual, entre os itens analisados pelo IBGE, foi registrado no preço das carnes, que subiu 2,34%, representando 0,06 ponto percentual do índice. Na sequência, estão refeição consumida em restaurante (alta de 0,83%), tomate (cujo avanço foi de 23,36%), macarrão (2,15%), frango em pedaços (1,69%) e pão francês (1,09%).


Exportação de carne bovina brasileira bate recorde em 2013 pelo quarto mês consecutivo

Pelo quarto mês consecutivo em 2013, os frigoríficos brasileiros voltaram a bater recorde tanto de faturamento quanto de volume de carne bovina, ao negociar um total de US$ 659,5 mil, equivalente a 147,8 mil toneladas do produto. O crescimento em relação a setembro foi de 6,17% em faturamento e 5,15% em volume.

"O ano de 2013 tem sido excepcional para a agropecuária brasileira, obtendo um crescimento exponencial e consolidando o nosso papel de liderança no mercado exportador de carne bovina no mundo", afirma Antônio Jorge Camardelli, presidente da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne). 

Para atingir este novo recorde, a ampliação dos negócios com a Venezuela foi decisiva, mercado que comprou 92,9% mais carne do que no mesmo período de 2012, Hong Kong, com volume 64,2% superior a outubro do ano passado, e Rússia, com 44,1%.

No acumulado entre janeiro e outubro, foi registrado crescimento de 18,8% no volume e 12,5% no faturamento. No período, foram negociados 1,2 milhão de toneladas do produto, com um faturamento de US$ 5,449 milhões. 

Os números têm sido resultado do amplo crescimento de mercados importadores como Hong Kong, cujos negócios com os frigoríficos brasileiros cresceram 83,4%, Venezuela (90,7%), Argélia (48,5%) e Estados Unidos (24%). Além disso, grandes mercados como Rússia e União Europeia, também tiveram leve crescimento no ano. "Mesmo assim, acreditamos que podemos incrementar nossa participação nestas regiões, em especial na Europa, onde ainda encontramos diversos entraves, como as barreiras comerciais para inserir nossa carne no continente", afirma Camardelli.

A carne in natura continua sendo a categoria mais desejada pelos importadores, totalizando faturamento de US$ 4,3 bilhões e volume exportado de 968,7 mil toneladas (jan-out/2013).



Exportação de carne in natura é 12,5% maior em novembro


Segundo dados divulgados nesta segunda, dia 18, pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), a receita média diária das exportações brasileiras de carnes in natura atingiu US$ 77,3 milhões nas três primeiras semanas deste mês, valor 12,5% superior ao observado no mês passado e 12,4% acima do registrado em novembro de 2012.

O destaque é a carne de frango, com receita média neste mês de US$ 31,8 milhões, valor 25,7% superior ao mês passado e 12,5% acima de novembro do ano passado. Na exportação de carne bovina in natura a receita média diária neste mês está em US$ 24,8 milhões, valor 5,9% acima do mês anterior e 24,4% superior ao registrado em novembro de 2012. Já a carne suína teve receita média diária de US$ 5,17 milhões, valor 9,4% abaixo da média de outubro e 17% inferior a novembro do ano passado.

Em termos de volumes, a média diária de embarques neste mês em relação a outubro cresceu 24,7% na carne de frango e 4,4% na bovina, enquanto a suína recuou 7,7%. 

Em relação a novembro do ano passado a média diária de embarque é 30,2% maior no caso da carne bovina e 23,9% superior na carne de frango, enquanto a suína está 18,9% abaixo. A Secex lembra que em outubro a exportação de carne bovina registrou o quarto recorde mensal sucessivo. 




quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Venda de carne terá controle mais rigoroso para a copa do mundo

A indústria de abate clandestino envolve cerca de 400 mil cabeças de gado a cada ano, segundo estimativa do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Rio Grande do Sul (Sindicarne). Mas é apenas uma tentativa de dimensionar uma atividade sobre a qual não há controle.

O produto do abate clandestino não tem qualquer inspeção sanitária, o que representa perigo para saúde. Uma mobilização conjunta entre indústria e governo conseguiu reduzir esse volume, que já chegou a 600 mil cabeças. Ainda assim, a oferta de carne proveniente de furtos de gado pode comprometer um árduo trabalho de uma década contra o abate clandestino e preocupa o presidente do Sindicarne, Ronei Lauxen.

O temor é compartilhado por autoridades sanitárias federais, estaduais e municipais, que estão colocando em prática um projeto-piloto de categorização dos serviços de alimentação para a Copa do Mundo 2014 nas cidades-sede dos jogos. Em Porto Alegre, o projeto é tocado pela Equipe de Vigilância de Alimentação, ligada à Secretaria Municipal da Saúde.

“Em linhas gerais, é um check-list de 120 pontos relacionados com o manuseio e a origem dos alimentos que os restaurantes precisarão responder. E serão classificados pelas suas respostas”, informa o veterinário Paulo Antonio da Costa, chefe da Equipe de Vigilância da Capital.

Como a carne é o principal cartão-postal dos gaúchos e um dos principais produtos brasileiros no exterior, todas as 82 churrascarias e galeterias existentes na cidade estão incluídas no projeto, avisa Costa.



Remate traz genética de ponta nesta quarta-feira

Hoje o Leilão Cícero de Souza Elite ofertará o melhor da seleção Nelore 42.!!! 

Confira os detalhes no catálogo: http://www.nelore.org.br/.../Calendario/DetalhesLeilao/4131

O remate tem transmissão do AgroBrasil TV - a partir das 20h !!! Confira!!!